domingo, 14 de julho de 2013

Apocalipse: alegoria e realidade se misturam

     “Não preciso ler e nem assistir jornal porque tudo está no Apocalipse”, declara a doméstica Mariana de Souza (nome fictício). Além de Mariana, outras pessoas fazem várias interpretações sobre o livro Apocalipse e, na maioria dos casos, as ideias estão acompanhadas de polêmica. Enquanto uns contabilizam apenas 144 mil salvos por Cristo, outros se dedicam a decifrar o nome e número da besta. Existem, ainda, correntes doutrinárias que defendem o Amilenismo, Milenismo e o Pós-milenismo. O cinema também tem obras sobre o tema, como “Armagedom” e “O Dia Depois de Amanhã”. 
http://iadrn.blogspot.com.br/2011/07/as-sete-igrejas-do-apocalipse-fotos.html
     Apocalipse foi escrito pelo discípulo evangelista João, entre os anos 90 e 95 D.C. Na época, o autor sofreu exílio em Patmos, porque representava uma ameaça política para o governo romano e rebeldia contra os preceitos do judaísmo. A ilha faz parte do arquipélago grego e servia como local de trabalhos forçados e isolamento para onde eram enviadas as pessoas consideradas perigosas para o convívio social. Por causa das condições insalubres, é possível que João tenha sofrido delírios febris, visões ou sonhos. De acordo com os dois primeiros versículos dos capítulos 1 e 4, João foi levado por um anjo, o qual lhe mostrou tudo o que ia acontecer momentos antes, durante e depois do retorno de Jesus Cristo.
     O livro se encaixa na categoria de profético e é considerado como revelação. “A história de salvação começou no Velho Testamento. A Bíblia possui livros que apontam para o fim dos tempos, já o Gênesis trata do início. Acho que a mensagem do Apocalipse é mostrar o caminho da salvação, é como se fosse a continuação dos Atos dos Apóstolos, que é a história do início da Igreja”, explica o Reverendo Josafá Batista dos Santos.
     Já o Padre Manoel Marques Gonçalves entende que “a linguagem do gênero apocalíptico é simbólica e a dificuldade é interpretar. Neste caso, é fácil interpretar que a besta é o império romano, mas depois todo o resto é difícil de se interpretar…nós não podemos interpretar e aplicar às vicissitudes e circunstâncias da história desde o império romano até hoje. Nós sabemos é que a história caminha e que Cristo virá”.
    Como qualquer outro livro bíblico, Apocalipse não pode ser compreendido com rigidez literal. O leitor interessado deve pesquisar artigos, livros especializados e na Escatologia, a disciplina da área teológica que estuda os fenômenos relacionados ao fim do mundo.