terça-feira, 18 de novembro de 2014

Opinião: “Um dia sem Deus” - parte 1

https://twitter.com/revistamuito

“O senso comum diz que religião não se discute, mas a julgar pelas últimas semanas – últimos tempos, melhor dizendo, para ser mais exata, sendo mais vaga – parece que não se fala de outra coisa. Mesmo para aqueles que não creem, é difícil negar que Deus seja (ou pelo menos esteja) onipresente. Na arquitetura das cidades despontam templos novíssimos cada vez maiores e mais extravagantes, dentro dos quais se aprisionam os políticos mais poderosos de um Estado laico. Deus é ostentação. Crucifixos e bíblias ocupam paredes e púlpitos dos tribunais e câmaras, no lugar sagrado que deveria se reservar à Constituição brasileira. Deus é lei.
          Redes de TV exibem ininterruptamente programas religiosos que, sempre em nome de Deus, não cessam de gritar pelo demônio, eleger e perseguir inimigos. Deus é fúria. A revista de moda dá dicas de como se vestir para ir ao templo. Deus é fashion. Um suposto líder religioso afirma que assassinatos e acidentes fatais de figuras públicas foram o resultado de afrontas a Ele. Deus é vingança. Na banca de rua onde se vende uma iguaria da cultura afro-baiana, anuncia-se: “Acarajé de Jesus”. Deus é fraude. No caminho para o aeroporto, pregado numa árvore, um cartaz lembra, ameaçador: “Só Jesus salva”. Deus é exclusividade.”
          Texto extraído da seção Cotidiano, Revista Muito A Tarde, edição 135, de 12/10/14. Por Moema Franca (moema.franca@gmail.com).