sábado, 10 de janeiro de 2015

Evangelizar: um ato de disposição, exemplo e método.

Existem pregadores do Evangelho que entregam folhetos, enquanto outros realizam cultos em praças. Há 12 anos, o motorista Carlos Alberto Justiniano dos Santos imposta a voz para, sozinho, falar da Bíblia dentro de ônibus coletivos em Salvador. “Eu conheci um Deus ao qual Ele me chamou e hoje eu me encontro aqui fazendo essa pregação porque se fosse de mim mesmo eu não estava aqui.”, explica, também relatando a receptividade do trabalho. “Eu creio que tem pessoas que estavam precisando de uma palavra. Alguns já desceram no mesmo ponto que eu desci e me pararam para contar a situação deles, até situações idênticas que eu passei”, garante. “Não é igreja que salva e nem liberta, quem salva é Jesus”, responde quando lhe pergunto sobre o motivo de não citar denominações religiosas durante a pregação. 
Além dos métodos tradicionais de evangelização, existem os típicos da era pós-moderna. Já é possível ser membro de redes sociais que querem aumentar a comunidade de evangelizadores e evangelizados. Também existem websites voltados para a propagação de versículos, uso de chat, localizador de igrejas, além do oferecimento de cursos online e materiais para quem decidiu experimentar a vida cristã pela primeira vez. O internauta interessado no assunto ainda pode usufruir de webtv’s que podem ser acessadas do computador, smartphone e tablet.
De acordo com o Pároco Bruno Luiz Teles de Almeida é necessário diferenciar evangelização de evangelismo. Ele explica que o termo evangelização é algo feito para transformar a sociedade através de maneiras diferentes. Pode, então, significar o desejo de diminuir o número de pessoas que passam fome, tentar erradicar o racismo e homofobia, a busca de evitar que as crianças percam sua infância por causa da violência, trabalho ou das drogas, por exemplo. “Muitas vezes a idéia de evangelismo é estar mais preocupado em conseguir novos adeptos para a minha igreja, então eu quero ela seja cada vez mais rica, tenha poder, influência, e aí a gente perde a dimensão do reino de Deus. O melhor método de evangelização é o testemunho de vida, quando se dá testemunho de amor, misericórdia, compaixão, respeito, piedade”, pontua ele.

Teologia e tecnologia

Foto extraída de http://unisinos.academia.edu/Mois%C3%A9sSbardelotto

Pensando em compreender melhor a relação entre novas tecnologias da informação e a teologia, o jornalista e mestre em Ciências da Comunicação, Moisés Sbardelotto, escreveu E o Verbo se fez bit: a comunicação e a experiência religiosas na internet. A obra mostra como se entrelaçam os conceitos de mídia, religião e ambiente digital, citando a ciberteologia como ponto central do livro. Veja AQUI a entrevista completa com o pesquisador.

Osvaldo Junior DRT BA 3612.