quinta-feira, 24 de novembro de 2016

Ação combate racismo e discriminação religiosa


  Já está disponível a cartilha com a Portaria 880 (13 de junho de 2014) que organiza as atividades de assistência religiosa nas unidades de saúde administradas pela Secretaria da Saúde do Estado da Bahia (SESAB). A normatização de visitas de líderes religiosos e leigos tem o objetivo de respeitar as crenças do pacientes, controlar a entrada de instrumentos musicais, aperfeiçoar a cadastramento das entidades religiosas e outras providências semelhantes. 
  O lançamento do material aconteceu no auditório do Ministério Público (MP-BA) bairro Nazaré, em Salvador, na manhã do último dia 23. No encontro havia uma plateia composta por militantes de movimentos sociais e pessoas de diferentes expressões religiosas. A Paróquia Anglicana do Bom Pastor estava representada pelo Diácono Carlos Araújo. 

Carlos Araújo (Igreja Anglicana) e Sônia Mota (Presbiteriana Unida) 

  Durante a programação os participantes ouviram debatedores em duas mesas redondas. Cada mesa foi composta por funcionários do MP-BA, Sesab, Secretaria Estadual da Promoção da Igualdade Racial (Sepromi) e representantes das religiões afro e islamita. No primeiro momento, cada palestrante relatou sobre a importância do texto no combate a discriminação étnica e intolerância religiosa. Na outra rodada – já com novos palestrantes - eles contaram suas experiências pessoais nos momentos de distribuir a cartilha e de perceber como era a reação dos servidores, líderes religiosos, pacientes e familiares diante da nova regulamentação.


  Para o Coordenador do Centro de Referência de Combate ao Racismo e à Intolerância (Sepromi), Walmir França, “...o processo racial mata a nossa juventude e impede o crescimento dela...”, disse para ilustrar como a cartilha pretende evitar casos de preconceito de etnia nas enfermarias e leitos públicos do Estado.

Fotos e texto: Capinan Junior, DRT 3612 BA.